Você é o que você acredita

“Pensamento é um momento
Que nos leva a emoção
Pensamento positivo
Que faz bem ao coração”

O que te contaram sobre o mundo? O que te ensinaram sobre a vida? O que te disseram sobre você?

Na casa da Bruna, as “crenças rolavam soltas”. As pessoas mais antigas tinham o hábito de repetir algumas frases, com muita convicção! O fato é que, muito do que falavam, não tinha nenhuma comprovação científica…mas ai de quem duvidasse! rsrs

Você já parou para pensar sobre os seus pensamentos? Sobre a forma como você entende as coisas e percebe as pessoas e o mundo? 

Algumas crenças são conhecidas como crenças limitantes. O próprio nome já diz: elas nos limitam. E essa é uma boa explicação para existirem tantas delas! Na tentativa de proteger, educar, controlar, enfim, na tentativa de impor limites, muitos pais usavam (e usam) algumas afirmações como: “se você comer isso, vai ter dor de barriga”.

As crenças limitantes têm a sua importância em determinadas situações. A menina cresceu ouvindo muitas coisas dos pais e dos irmãos. Imagina uma criança sozinha, solta em um sítio, enquanto todos trabalhavam? Alguns comandos estabeleciam limites: até onde poderia ir, os lugares que poderia brincar, com quem poderia conversar, o que poderia comer, dentre outros.

Quando a mãe estava trabalhando na casa do patrão, a menina brincava ali, nos arredores. Havia uma piscina, grande e profunda. A mãe dizia: “Não chega perto da piscina, senão você cai e morre, e ninguém vê”. Ouvindo isso, a menina sentia medo. O medo é um poderoso mecanismo de proteção e nesses casos é muito positivo.

Mas, nem tudo tinha explicação! Quando questionados, os adultos nem sempre sabiam responder porque não podia tomar leite com manga ou tomar banho após comer. É muito provável que em algum momento da vida eles ouviram aquela história, que conectava uma ação com algum fato triste, ruim. Então, por meio da emoção e das repetições, eles aprenderam e agora replicavam. Os filhos ouviram dos pais, que ouviram dos avós, que ouviram dos bisavós, que ouviram dos tataravós…e por aí vai…

Quando acreditamos em algo, esse algo se torna possível e real. Isso explica por que fazemos as coisas que fazemos. Tudo começou lá: na nossa mente, com os nossos pensamentos.

Uma crença limitante pode ter sido importante em determinado momento, mas será que ainda é? Será que não está na hora de mudarmos alguns padrões mentais, a forma de pensar, de perceber e agir? Questione-se! Algumas pessoas afirmam que nasceram “assim” e vão morrer “assim”. Isso é muito limitante! Somos seres livres e inteligentes, podemos mudar. Mas para isso é preciso querer, aceitar e acreditar! Quando a gente muda, tudo muda. A mudança ocorre de dentro para fora. Faz sentido para você?

A menina e seus irmãos se recordam de várias frases que os pais falavam (é bem provável que você se lembre de algumas também):

– Se abrir o guarda-chuva dentro de casa, não casa.

– Se passar por debaixo das pernas ou do braço, a criança não cresce.

– Quebrar um espelho ou passar por debaixo de uma escada: 7 anos de azar.

– Comer e depois assistir televisão, entorta a vista.

– Não pode colocar a criança na frente do espelho, senão não aprende a falar.

– Passar vontade de comer algo, dá lombriga.

– Família com sete irmãos (homens), o mais velho tem que batizar o mais novo (o sétimo) senão ele vira lobisomem.

– Não pode comer pé de galinha, senão começa a andar para trás.

– A mulher, quando tem neném, tem que ficar quarenta e cinco dias sem lavar o cabelo, senão fica louca.

– Não deixar a roupa do lado do avesso, à noite, senão dá pesadelo.

– Chinelo com a correia para baixo: sinal de morte.

– Tem que jogar o dente de leite no telhado, senão não nasce outro.

– Para cada fio de cabelo branco arrancado, nascem sete.

Enfim, essas histórias faziam a Bruna refletir um bocado! Uma das histórias que mais impactou a menina, foi a “previsão do fim do mundo” para o ano de 2000. Aquilo seria verdade? Ela ficava pensando em como seria, sentia medo… Ela ouviu uma mensagem de um líder religioso, que dizia que os cristãos deveriam se preparar e rezar o rosário todos os dias. Motivada pelo medo, a menina começou a rezar. Esse hábito durou semanas, meses, anos…até que um dia ela entendeu que as suas ações para com Deus não deveriam ser fundamentas no medo, mas sim, no amor.

Reflita: por que você faz as coisas que você faz? O que você ganha e o que você perde?

No seu cantinho, lá, debaixo da árvore, na beira do lago, a menina buscava respostas para a sua existência, e caminhos, que pudessem levá-la em direção aos seus sonhos. Vencer determinadas crenças limitantes foi um grande desafio, que trouxe muitos aprendizados e a libertação da sua essência.

Eu acredito que tudo é possível,

Acredito no milagre,

E no poder do amor.

Acredito em dias perfeitos,

Em lágrimas de alegria,

Em anjos, em sonhos,

Na canção e na poesia.

Acredito no potencial divino,

No infinito e na eternidade,

Acredito na Verdade!

 

“Estando ele ainda falando, chegaram alguns do principal da sinagoga, a quem disseram: A tua filha está morta; para que enfadas mais o Mestre? E Jesus, tendo ouvido essas palavras, disse ao principal da sinagoga: Não temas, crê somente” – Evangelho de Marcos, capítulo 5, versos 35 e 36.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: