Chupetas e mamadeiras

“Vem meu ursinho querido,
Meu companheirinho,
Ursinho Pimpão.

Vamos sonhar aventuras,
Voar nas alturas,
Da imaginação”

Chupetas e mamadeiras, foram muitas! A Bruna tomava três mamadeiras por dia: de manhã, à tarde e outra antes de dormir. A mãe preparava com carinho…era tão gostoso segurar aquela mamadeira com o leite quentinho, deitar no sofá, às vezes no colo da mãe, e saborear aquele momento.

A mãe tinha o hábito de preparar chá para os filhos. Nas noites frias, a Bruna adorava tomar chá-mate na mamadeira, hum… E ficava ainda mais gostoso quando acompanhado de bolachas ou de um pedaço de bolo.

Por volta dos 6 anos a menina ganhou um copo de plástico, com olhos e boca desenhados. Ele tinha sapatos cor de rosa e uma tampa em formato de boné, da mesma cor dos sapatos. Um copo com canudinho… Você já teve um desses?

A Bruna entendeu que já estava grande, não era mais uma bebê. Estava na hora de abandonar a mamadeira, e assim ela fez. No copo, o leite já não tinha mais o mesmo sabor…mas com o tempo ela se acostumaria.

Você se lembra da sua mamadeira? Talvez, neste momento, você tenha filhos que usam mamadeira. Qual o momento ideal para tirá-la deles? Como fazer isso de maneira tranquila?

Já em relação à chupeta…era um caso de amor! A Bruna não a largava! A mãe dizia:

– Que coisa feia…uma menina desse tamanho com chupeta!

Então a Bruna decidiu usá-la apenas à noite, para dormir. A chupeta ficava ali, atrás das jarras guardadas no buffet. Ninguém podia saber! Se alguma visita chegasse, ela corria esconder.

Um dia ela foi para a escola e, sem querer, levou a chupeta no bolso da calça. Imagina só se os amiguinhos vissem!

A Bruna decidiu deixar a chupeta aos 10 anos. Não foi fácil…mas ela tinha que encerrar esse ciclo…ela tinha que viver o que agora ela era: uma menina que ia para a escola e que tinha colegas que já não usavam mais a chupeta.

Talvez, se não fosse a vergonha e o medo do julgamento…talvez ela continuasse sendo aquela criança que usava chupeta, por mais alguns anos. Trocar a casca dói, crescer dói, mas é necessário, é a vida que segue. Um ciclo se fecha para que outros possam se abrir.

No desejo de crescer, a menina orou a Deus, olhou fixamente para a imagem de Maria, que ficava em cima da máquina de costura da mãe. Colocou a chupeta aos pés da imagem e pensou: “se eu conseguir ficar três dias sem a chupeta, prometo jogá-la fora”.

Os três dias se passaram. Ela se sentia confiante. A menina se despediu da chupeta, jogando-a “pra lá da cerca”…

Quais eventos marcaram a sua infância? Como foi ter que deixar para trás as coisas de bebê, a vida de criança?

Chupetas e mamadeiras são muito mais do que pedaços de plásticos e borrachas. Elas podem significar carinho, pureza, inocência, aconchego, segurança…alimento do corpo e da mente.

Gosto de sentir o seu cheiro,

E de provar o seu sabor.

Gosto de me sentir segura,

Na perfeita temperatura,

Do calor do seu amor.

Gosto de saber que você está perto,

Que o futuro é um lugar certo,

E que não é preciso temor.

Gosto de pensar só no agora,

Sem me preocupar com a hora

De encerrar o meu labor.

Quero que seja eterna, 

Livre, amada…minha pequenina!

Com o seu coração gigante,

Forte como um diamante e leve,

Como uma bailarina!

As coisas materiais envelhecem, quebram, caem em desuso e são jogadas fora. Mas o significado desses objetos pode permanecer, para nos fazer lembrar que precisamos de amor em todas as fases da vida, que dependemos uns dos outros e que aqui, dentro de cada um de nós, vive uma eterna criança.

 

“Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque, agora, vemos por espelho em enigma; mas, então, veremos face a face; agora, conheço em parte, mas, então, conhecerei como também sou conhecido” – Bíblia, Primeira Carta aos Coríntios, capítulo 13, verso 11″.

“Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia e adultos no entendimento” – Bíblia, Primeira Carta aos Coríntios, capítulo 14, verso 20.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: