Matando “leões” – parte 2

Olá diário!

Estamos aqui novamente: eu e você, para refletirmos um pouco mais sobre os “leões” de nossas vidas.

Sabe, essa reflexão toda sobre o que são e o que representam os “leões” na minha vida, iniciou a partir do estudo do livro de Daniel, um livro da Bíblia, do antigo testamento. Já li várias vezes alguns dos capítulos, e dessa vez, a leitura gerou esses pensamentos específicos.

Um mesmo texto pode nos ensinar coisas diferentes em diferentes fases da vida, e isso indica que nós mudamos, que a vida mudou, que o nosso olhar e percepção mudaram.

Vamos ao livro…

O capítulo 6 conta que ele, Daniel, foi lançado na cova dos leões por ter desobedecido a um edito real, que dizia que no prazo de 30 dias ninguém poderia pedir nada a qualquer deus ou a qualquer homem, a não ser ao rei Dario. Entretanto, Daniel continuou com seu costume de orar e suplicar a Deus em seu quarto, com as janelas abertas da banda de Jerusalém, três vezes por dia. Assim, ele foi punido e lançado na cova dos leões.

No verso 16, o rei Dario diz a Daniel: “O teu Deus, a quem tu continuamente serves, ele te livrará”. E de fato, Daniel não morreu, antes saiu ileso e prosperou no reinado de Dario e no reinado de Ciro, pois assim Deus quis. O rei, vendo o ocorrido, fez um decreto pelo qual em todo o domínio de seu reino os homens tremessem e temessem perante o Deus de Daniel. Ele reconheceu que o Deus de Daniel era um Deus vivo, cujo reino ninguém pode destruir e cujo domínio é para sempre.

Eu gosto muito dessa história, é cheia de força, de coragem e de sabedoria. Ela me ensina que devemos permanecer firmes frente ao “leão”! Nada deve corromper nosso caráter, nem mesmo diante de situações com grande risco de perder a vida. Isso me faz pensar nos meus valores pessoais, nas minhas crenças…eles são extremamente importantes e eu não quero esquecer quem eu sou, nem tampouco abandonar a minha história por conta das infinitas “chantagens” que o mundo faz.

Somos, muitas vezes, motivados por pessoas e organizações, a fazer coisas que não gostamos ou que achamos errado. Elas encontram maneiras para nos influenciar, envolvendo recursos financeiros, reconhecimentos, visibilidade, promoções… Criam uma história para mostrar e convencer os demais de que determinada ação é boa e importante. Na verdade,  elas próprias nem sempre acreditam nessa ideia…mas depois de tanta repetição, agem de maneira automática e no fundo de seus olhos é possível enxergar a decepção de fazer o que “todo mundo” faz e não viver os seus valores e construir a sua própria história.

Profundo isso…não é mesmo?

Daniel não se deixou corromper. O livro conta que mesmo em um lugar diferente, com pessoas, alimentação e costumes diferentes, ele permaneceu sendo quem era: um homem temente e obediente a Deus. E até mesmo quando foi condenado à morte, permaneceu firme, entrou na cova e lá passou uma noite inteira junto às feras. Ele poderia ter morrido? É claro que sim, mas essa passagem nos ensina que a vida tem valor quando vivemos os nossos valores. Não faz sentido viver fugindo da morte, o foco é outro, e escrevo isso baseado em minhas crenças…

Ainda que eu aguente aqui, concorde ali, e for fazendo tudo conforme as pessoas pedem e o mundo exige, eu vou morrer (mas também creio que se for da vontade do Criador posso não morrer, pois para Ele tudo é possível).

Morrendo, que legado deixarei? Como minha história será contada? Quem foi a Bruna? Quem foi o João, a Maria, o Antônio, a Alessandra?

Sabe, o mundo  às vezes se apresenta como um grande leão…temos que enfrentá-lo! E mais do que isso, se confiamos no poder de Deus, não precisamos temer, pois, assim como Ele livrou Daniel da cova dos leões, Ele nos livrará de nossos leões também. Para Deus existem milhões de maneiras de resolver um problema, até mesmo aqueles para os quais não enxergamos soluções… A morte, por exemplo, é um leão morto: na Cruz ela foi vencida, e mediante esse entendimento eu creio que o sono que virá será para um novo despertar!

Ei, você está passando por um momento difícil? A água do seu copo transbordou? O leão é tão grande que você mal consegue enxergá-lo por inteiro? Só te falo uma coisa: permaneça firme e quieto. Ainda existe esperança, pois, mesmo quando nossas forças se acabam, existe uma força ainda maior que chega e resolve tudo: enxuga nossas lágrimas, nos carrega, domina o leão e nos faz vitoriosos, não pelas nossas obras, mas pela graça e amor que existe no grande Pai que nos criou.

Fico por aqui, espero que você tenha gostado das reflexões sobre os “leões”.

Até breve!

“Ele livra, e salva, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele livrou Daniel do poder dos leões” – Bíblia, Daniel, capítulo 6, verso 27.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: